< Back

Alunos do Instituto dos Deficientes Visuais visitam Jardim das Sensações

Eles puderam conferir pelo tato as diferentes espécies e também identificar o aroma

Image-empty-state_edited_edited_edited.p

Foto: Divulgação - Seis alunos do IDVC participaram da atividade e puderam aflorar o tato, a audição e o olfato

Myllaynne Lima

Da Reportagem Local

Seis alunos do Instituto dos Deficientes Visuais de Catanduva - IDVC vivenciaram uma experiência diferente no Centro de Educação Ambiental (CEA) Professor Paschoal Roberto Turatto. Eles fizeram uma visita ao Jardim das Sensações e puderam aflorar o tato, a audição e o olfato.

“As técnicas do IDVC estão fazendo um curso de orientação e mobilidade que ensina o deficiente visual a andar com a bengala e é uma atividade que o professor sugeriu para que fosse realizada com uma pessoa que tenha a deficiência visual ou vidente com os olhos fechados. A atividade teria que ser em um ambiente interno ou externo para os alunos desenvolverem o os outros sentidos remanescentes, o olfato, audição e tato. Pensamos em realizar essa atividade no Zoológico, por conta dos animais e das plantas”, explicou a coordenadora do IDVC, Fernanda Rocha.

Todos os protocolos referentes à atual fase do Plano São Paulo foram seguidos, como o distanciamento e o uso de máscaras pelos participantes.

O Jardim das Sensações tem diversas espécies de plantas medicinas, onde além de conferir pelo tato as diferentes espécies, é possível também identificar o aroma de cada uma delas.

O Centro de Educação Ambiental fica em prédio anexo ao Zoológico Municipal Missina Palmeira Zancaner. A visita foi acompanhada pela bióloga Maria Célia Soler e a encarregada de Educação Ambiental do CEA, Roseli Alexandre.

“Os alunos integram um curso sobre orientação e mobilidade o que tem relação com esse espaço que temos no CEA a fim de orientar e desenvolver essa atividade”, completa Roseli.