< Back

79% das multas aplicadas na Operação Direção Segura são por recusa ao bafômetro

Motoristas responderão a processo de suspensão da carteira de habilitação

Image-empty-state_edited_edited_edited.p

Foto: DIVULGAÇÃO - Tanto dirigir sob a influência de álcool quanto recusar-se a soprar o bafômetro são consideradas infrações gravíssimas

Da Reportagem Local
Publicado em 12/10/2021

De 376 multas aplicadas no mês de setembro durante a Operação Direção Segura Integrada (ODSI) no Estado de São Paulo, 296 foram por recusa ao teste do etilômetro, o que corresponde a 78,7% do total das infrações. As blitze compõem a ação de fiscalização da Lei Seca e integram equipes do Detran.SP, das polícias Militar, Civil e Técnico-Científica.

Os motoristas autuados por recusa ao teste do bafômetro serão multados, cada um, no valor de R$ 2.934,70 e responderão a processo de suspensão da carteira de habilitação. No caso de reincidência no período de 12 meses, a pena será aplicada em dobro, ou seja, R$ 5.869,40, além da cassação da CNH.

O mesmo ocorrerá com os condutores (17,5% do total das multas aplicadas) que apresentam até 0,33% miligramas de álcool por litro de ar expelido e responderão a processo administrativo. Tanto dirigir sob a influência de álcool quanto recusar-se a soprar o bafômetro são consideradas infrações gravíssimas, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Já os condutores autuados (3,7% do total das infrações) por embriaguez ao volante que apresentaram mais de 0,34% miligramas de álcool por litro de ar expelido responderão na Justiça por crime de trânsito. Se condenados, poderão cumprir de seis meses a três anos de prisão, conforme prevê a Lei Seca, também conhecida como “tolerância zero”.

Segundo levantamento realizado pelo Infosiga, sistema do Governo do Estado gerenciado pelo programa Respeito à Vida e Detran.SP, dos 892 óbitos de motoristas registrados entre janeiro de 2019 e julho de 2021 com suspeita de embriaguez ao volante, 378 mortes (42,3%) aconteceram aos finais de semana no período noturno. Jovens entre 18 e 24 anos representam 18% das vítimas fatais.