Catanduva, sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Cidades

ONG de Proteção Animal Cria Projeto de Proibição de Veículo com Tração Animal

Protetoras precisam de 5 mil assinaturas; intenção é apresentar o projeto em fevereiro

publicado em 08/01/2017 às 07:30

imprimir

PROTETORAS precisam coletar 5 mil assinaturas da população

PROTETORAS precisam coletar 5 mil assinaturas da população

Karla Sibro
Da reportagem local

O grupo de proteção animal Aumigas do Pet criou o Projeto de Iniciativa Popular para acabar com o veículo de tração animal em Catanduva. Para que ele seja apresentado a Câmara de Catanduva, o grupo precisa recolher 5 mil assinaturas. O projeto tem como objetivo preservar o bem estar de animais de grande porte.
De acordo com uma das organizadoras do projeto Naiara Fonseca, atualmente existem poucos animais legalizados, mas o número é grande de veículos com animais sem regularização.
“A gente viu que o número de animais de grande porte cresceu muito na cidade. Principalmente porque quando o animal é novo ele era usado para o trabalho, depois que ficou velho o dono o abandona. É claro, que tem charreteiro que cuida de seu animal, mas infelizmente a maioria abandona e o deixa passando sede e fome em ruas da cidade. Sem contar que isso pode provocar um acidente com a quantidade grande de animal solto pelas ruas da cidade”, diz Naiara.
Até o momento o grupo recolheu mais de mil assinaturas. A intenção é apresentar o projeto em fevereiro.
“Existem alternativas para o carreto e não mais a charrete ou a carroça. Em algumas cidades existe o cavalo de aço, que é um transporte muito bem estruturado, mas que é empurrado pela força do homem. Ou também existe a moto adaptada para o frete sem judiar do animal”, observa.

PONTOS FIXOS
A população que quiser ajudar na concretização do projeto basta comparecer em um dos quatro pontos fixos de coleta localizados à: Rua Curitiba esquina com a Rua Goiás (Pet Shop Bicho no Capricho), na Rua Paraíba, 523, na Rua Minas Gerais, 597 ou na Rua Londres, 274 – Pachá I.

BAZAR SOLIDÁRIO
Para ajudar com as despesas de animais atendidos pela associação, as protetoras realizam Bazar Solidário durante o ano. Neste ano, o bazar ganhou um ponto fixo. “As pessoas que queiram conhecer nossos produtos, roupas, sapatos e acessórios devem comparecer a Rua Londres, 274, no Pachá I. Tudo é vendido a preço bem baratinho e os produtos são bons. É para nós ajudar com os gastos mesmos que realizamos o bazar”, diz.

CONSÓRCIO DO AMOR
Além do Bazar, as protetoras também realizam o Consórcio do Amor para ajudar a pagar as castrações. Em abril, o consórcio completará dois anos e mais de 300 animais já foram castrados. Para ajudar basta contribuir com R$ 10 por mês.

SERVIÇO
Mais informações também podem ser obtidas pelo endereço eletrônico na_fonseca@hotmail.com.

5 Comentário(s) + Escrever Comentário

  • ALVES MARIA., em 11/01/2017 às 10:46 diz:

    Só para saber, há nesse Projeto a PROIBIÇÃO DA REALIZAÇÃO DE RODEIOS? A PROIBIÇÃO DE CAVALGADAS? A PROIBIÇÃO DE CÃES E GATOS EM GAIOLAS METÁLICAS IGUAIS AQUELAS QUE FICAM NA PRAÇA DA REPÚBLICA NAS MANHÃS DE SÁBADO COM ANIMAIZINHOS PARA DOAÇÃO? Desculpem minha franqueza...

    responder

  • ALVES MARIA, em 11/01/2017 às 10:53 diz:

    Desculpem novamente, mas para qual atividade profissional serão encaminhados os prestadores desse tipo de serviço? Como ficam os FILHOS, ESPOSAS (SERES HUMANOS) dependentes desses Profissionais? Será que alguma ONG PROTETORA DO BEM ESTAR DE SERES HUMANOS já tem algum Projeto nesse sentido?

    responder

  • ALVES MARIA, em 11/01/2017 às 10:55 diz:

    O Carroceiro trabalha por prazer ou por necessidade? Não quero ser sarcástico, mas pelo andar das coisas, daqui a pouco as renas de "Papai-Noel" deverão ser substituídas por máquinas, sob pena de Prisão em Fl;garante do "Bom Velhinho" MAUS TRATOS CONTRA ANIMAIS.....

    responder

  • ALVES MARIA, em 11/01/2017 às 11:03 diz:

    A justificativa para a criação do tal Projeto é fraca e genérica. Por favor, "deem nomes aos bois", dizer que "muitos abandonam animais nas ruas" é genérico, apontem quem, onde, como e quando, denunciem essas pessoas às Autoridades, o procedimento é simples. Parece aquela postura antiga "se a vaca tem carrapatos tem que ser sacrificada e não tratada". Todos vão pagar pelos atos de alguns, acho que já vi isso. A propósito em abril Catanduva não terá Rodeio?

    responder

  • ALVES MARIA, em 11/01/2017 às 17:47 diz:

    Fiz vários comentários, mas não foram postados. Nenhum deles tem cunho ofensivo. Me parece muito mais censura que qualquer outra coisa. Sugiro que os senhores sejam imparciais.

    responder

acompanhe O REGIONAL

edição digital