Catanduva, quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Opinião

Dezembro é tempo de festa e de pensar na vida

Por: Kie Kume

publicado em 01/12/2016 às 07:45

imprimir

De modo muito simples, podemos dizer que as empresas, ao fazerem o balanço do ano, procuram mostrar a seus acionistas ou proprietários se houve equilíbrio entre receitas e despesas e se houve lucro. Em meio às festas de final de ano – um período precioso de descanso, reflexão e convivência mais intensa em família –, devemos reservar algum tempo para pensar na vida e fazer um balanço do quanto conseguimos avançar em nossos projetos e na realização de nossos sonhos – o que fiz, onde acertei, onde errei, o que conquistei, o que preciso mudar. Também é hora de olhar com mais atenção para as pessoas que nos cercam, de nos preocupar mais com os outros, renovando relacionamentos, reconstruindo sonhos.
Em um de seus muitos best sellers, Think Big, Pense Grande, o autor japonês Ryuho Okawa recomenda que cada um dê uma boa olhada em si mesmo. “Para que nasci? O que vim fazer nesta vida? Olhe seus dons, sua personalidade, suas qualidades. Relembre o que fez e como viveu os anos que se passaram até o presente momento. A partir daí poderá descobrir a missão e vocação que se encontra nas profundezas de seu coração”, colocando-as a serviço da família, da comunidade, do país.
“É muito difícil tentar dedicar a vida ao trabalho se você não sabe qual é sua vocação divina” diz Okawa em Trabalho e Amor, recém-lançado no Brasil. “Se um indivíduo sente o desejo de fazer um trabalho que beneficie o mundo, então não pode se dar ao luxo de ignorar as necessidades e exigências dos outros. O desejo de satisfazer os outros, o espírito de servir ao próximo são forças importantes que irão imbuir seu trabalho com a energia do amor. O amor pode ser encontrado na atenção aos detalhes e também na sabedoria de não perder de vista as necessidades dos outros.” 
Nosso balanço de vida deve começar pela família, onde nasce e se alimenta a verdadeira felicidade. Primeiramente, precisamos avaliar como estamos nos relacionando com as pessoas mais próximas de nós. Se estamos num casamento ou num relacionamento sério, é fundamental checar o que cada um está fazendo para solidificar esse amor. Há comportamentos que deveriam ser banidos, por estarem manchando e enfraquecendo a relação de fidelidade entre os dois. Quando há filhos, daí a responsabilidade com que se deve fazer esse balanço é ainda maior. Nossa missão como pais está sendo cumprida? Há acompanhamento, diálogo, convivência? No papel de filhos, também é importante avaliar como estamos nos relacionando com nossos pais. Nesta época de aceleradas mudanças, são mais frequentes os desentendimentos e mais difícil a convivência entre gerações. Por isso, é fundamental sermos mais compreensivos e tolerantes, sempre abertos ao diálogo. Dezembro é um mês muito oportuno para refletir sobre a dimensão do amor em nossa família. É hora de regar essa flor com gestos de carinho e, se for o caso, com pedidos de perdão. Nunca é tarde para recomeçar.
Por conta dos vestibulares, também é um bom momento para muitos jovens avaliarem como anda evoluindo sua formação, como foi a dedicação aos estudos durante o ano. É importante ter a consciência de que, além de buscar a formação acadêmica e profissional para o trabalho, é preciso se dedicar à construção do próprio caráter, necessário à realização da vocação divina que carregamos. Bons livros devem ser companheiros permanentes nessa caminhada. “Quanto mais a compreensão da pessoa se aprofunda, mais ela tem o desejo de aprender”, diz Ryuho Okawa, incentivando os jovens a desenvolverem todo o seu potencial humano. “Os jovens possuem muitas qualidades louváveis, mas penso que, de todas elas, a melhor é sua capacidade de idealizar. Essa capacidade permite ver as coisas de maneira mais positiva e faz com que a pessoa defina suas metas com possibilidades infinitas. Quando um jovem é incapaz de nutrir ideias, então podemos dizer que é uma pessoa velha, enquanto uma pessoa de 40, 50, ou mesmo 60 ou 70 anos, cujo espírito é ainda fresco e não perdeu seus ideais, pode ser considerada alguém que ainda tem a juventude nas mãos”, diz o autor em Trabalho e Amor.
Que neste final de ano, nos empenhemos em refletir como anda nossa vida e sobre o que é preciso mudar, seja na família, nas relações pessoais, na escola ou no trabalho. Que o espírito do Natal aqueça nossos corações e renove nossas esperanças. Se não aproveitarmos nossa capacidade de criar ideais, esses ideais irão murchando dentro de nós. Boas festas!

Kie Kume 
é gerente da editora IRH Press do Brasil, que publica em português as obras de Ryuho Okawa.

veja também

  • Miopia na educação

    Por: Reinado A. Moura

    08/12/2016 às 07:45

  • Perceber o outro

    “Organizado por parcerias entre órgãos públicos e instituições da sociedade civil, o evento promove atividades em ruas, praças, parques, museus e teatros em todo o estado.”

    08/12/2016 às 07:45

  • Dias de Tensão

    “O fim de ano promete ser de turbulência com discussões de projetos importantes e os avanços nas investigações da Lava Jato.”

    08/12/2016 às 07:45

  • Febre amarela

    Três casos de febre amarela em macacos são confirmados em Catanduva

    08/12/2016 às 07:45

0 Comentário(s) + Escrever Comentário

NINGUÉM COMENTOU AINDA

acompanhe O REGIONAL

edição digital