Catanduva, sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Cidades

Ar em cano faz hidrômetro rodar

Os problemas relacionados aos novos hidrômetros instalados pela SAEC, já não são mais novidades para ninguém.

publicado em 04/02/2012

imprimir

Os problemas relacionados aos novos hidrômetros instalados pela Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva – SAEC, já não são mais novidades para ninguém.
Porém, agora, mesmo com o fornecimento de água interrompido, os hidrômetros marcam o ar que fica preso nos canos.
O morador da rua Belém, Anício Zuqueto, mesmo estando sem água e com o registro fechado, explica que seu hidrômetro marca.
Todos os dias ao final da tarde, período previsto para o fornecimento de água, Anício abre o registro e ao abrir a torneira, constata que seu hidrômetro fica rodando, por conta do ar preso nos canos, mesmo sem sair água.
“Estamos pagando pelo ar que fica dentro dos canos. Eu percebi que isso vem acontecendo todos os dias. A pressão faz com que o ar seja ‘empurrado’ pela água. Com isso o hidrômetro marca o ar e não sai uma gota da torneira”, explica.
O morador enfatiza que não acha o preço da água catanduvense caro, porém destaca que tem que ser justo.
“Não acho que a nossa água seja cara, tendo em vista o custo da manutenção dos hidrômetros e de todo o serviço. Mas acho que é injusto fazer o povo pagar pelo que não consumiu. Como vamos economizar? Lutar contra o ar não dá?”, afirma.
Às 10h20 da manhã o relógio de Anício marcava 075842, sendo que o registro e a torneira estavam fechados. Às 18 horas, horário previsto para retorno da água, o registro foi aberto, e mesmo sim sair água o hidrômetro passou para 075862.
“Só o que saiu de ar do cano, até sair a água dava pra eu encher um pneu de carro”, brinca.
Hidrômetros
Enquanto a equipe de reportagem tomava conhecimento do problema na residência de Anício, João Manoel, morador do Conjunto Euclides, parou e afirmou que vive esse problema até hoje, após a troca do seu hidrômetro.
João diz que com a troca de hidrômetro, que não foi solicitada por ele e sim feita pela SAEC, sua conta de água aumentou mais de 100%.
“Vivemos apenas em três pessoas na minha casa. Porém todos ficam fora o dia inteiro. Eu e minha esposa trabalhamos e meu filho fica na escola. Não tem como registrar um aumento desse. Pagamos pelo ar que fica nos canos”, lamenta João Manoel.
O morador ainda afirmou que tal problema é enfrentado por todas as casas do bairro que já tiveram o hidrômetro trocado.
CEV
O problema reclamado por Anício é o mesmo enfrentado por diversos catanduvenses. Por conta do alto número de reclamações a Câmara Municipal instaurou uma Comissão Especial de Vereadores – CEV – e encaminhou o caso ao Ministério Público, para uma investigação mais apurada.
Na próxima semana será realizada uma reunião com membros da comissão.
Caso seja constatada irregularidade nos hidrômetros ‘impostos’ pela SAEC à população, a Prefeitura poderá ser obrigada a trocar todos os hidrômetros.
SAEC
A SAEC foi procurada e afirmou que caso o munícipe tenha esta preocupação, a orientação é que ele mantenha fechado o registro até que a água chegue normalmente à sua residência.
“Uma vez normalizado o abastecimento, o registro pode ser reaberto que não haverá passagem de ar pelo hidrômetro”, diz.
 Se o consumidor se sentir lesado, ele deve procurar pela Central de Atendimento da SAEC e solicitar revisão de sua conta, com base na média dos meses anteriores.
A pasta salienta que se estiverem fechados, não é para os hidrômetros registrarem a passagem de ar.

0 Comentário(s) + Escrever Comentário

NINGUÉM COMENTOU AINDA

acompanhe O REGIONAL

edição digital